2º Summit de Comunicação discute a mídia impressa

No último dia 04 de outubro aconteceu a segunda edição do Summit de Comunicação, uma iniciativa do Sindicato das Indústrias Gráficas no Estado de São Paulo (SINDIGRAF-SP) e da Associação Brasileira de Empresas com Rotativa Offset (ABRO), com realização do PropMark, patrocínio da Fedrigoni Brasil Papéis e da Plural Indústria Gráfica e apoio da Associação Brasileira da Indústria Gráfica Regional do Estado de São Paulo (ABIGRAF-SP) e ABIGRAF Nacional.

O evento recebeu destaque na mídia nacional e do setor: durante todo o mês de setembro e meados de outubro foram veiculadas diversas matérias, dentre elas uma inserção em televisão no programa Grandes Nomes da Propaganda, da RecordNews, com entrevista com Dr. Levi Ceregato, Presidente da ABIGRAF Nacional e SINDIGRAF-SP, e Reinaldo Espinosa, diretor de relações institucionais da ABIGRAF Nacional, que foi ao ar no dia 23 de outubro.

Além disso, veículos como DCI, Jornal da Comunicação Corporativa, Revista Graphprint, Jornal Empresas e Negócios, Associação Nacional de Jornais, Singramar, Revista Publish, Guia do Gráfico e Revista O ABC da Comunicação também divulgaram o Summit. 

Palestrantes e participantes de peso

Renomados profissionais da área de comunicação, publicidade e marketing palestraram no 2º Summit de Comunicação.

O presidente do Grupo Abril, Walter Longo, apresentou o painel “Redesenhando o nosso papel”, em que enfatizou a missão do impresso e do digital no jornalismo e no marketing, salientando que as mídias eletrônicas não devem ser vistas como antagonistas, mas sim como adicionais à comunicação impressa.

Janaína Brizante, diretora de Neurociência da Nielsen, palestrou sobre “Neurociência do consumidor: teoria e prática”, e tratou dos métodos de pesquisa da empresa voltados à análise das reações das pessoas para o desenvolvimento de ações publicitárias.

O Diretor de Projetos Especiais do Estadão, Ernesto Bernardes, se apresentou na sequência, com o painel “Branded content: não era só digital?”. Bernardes salientou que, a despeito do advento das mídias eletrônicas, “o poder da palavra impressa é decisivo. As pessoas sempre confiam muito no impresso. Fazem pesquisas na internet, mas acabam consultando um jornal ou revista para a tomada de decisão sobre a compra de produtos e contratação de serviços”.

Fabio Mestriner, professor coordenador do Núcleo de Estudos de Embalagem da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), falou sobre o tema “Embalagem, mídia do futuro”, destacando sua importância atual para a propaganda e o marketing, já que na visão dos consumidores, as embalagens constituem uma unidade indivisível e têm forte influência na decisão de compra. 

Fábio Bernardi, sócio-diretor de criação da agência Morya, de Porto Alegre (RS), com o tema “Tem coisas que o digital não imprime”, disse ser necessário adotar livros que estimulem mais o gosto pela leitura nas crianças e adolescentes. Ele salientou que o e-book não está acabando com o livro convencional, assim como as mídias eletrônicas não extinguiram jornais e revistas. Explicou, também, que os impressos apresentam qualidades táteis e despertam mais concentração por parte do leitor, fazendo parte, ainda, dos hábitos cotidianos de numerosas pessoas.

João Candido Portinari, presidente da Associação Cultural Candido Portinari e filho do pintor, apresentou a palestra “Candido Portinari, do cafezal à ONU”, na qual fez uma revisão do trabalho artístico de seu pai e apresentou os projetos de inclusão social por meio da cultura e das artes promovido pela associação que preside.

Na sequência,

Felipe Luchi

, CCO da Lew’LaraTBWA, apresentou o painel “Como a impressão de uma embalagem pode surpreender clientes e consumidores”, em que destacou a ação “Capa Pack”, que embalou cinco mil pacotes de café a vácuo com a capa do jornal O Estado de S. Paulo e no mesmo dia colocou-os em gôndolas nos principais supermercados de São Paulo. A proposta foi mostrar que o produto é fresco e embalado diariamente. “Foi um

case

que extrapolou a embalagem e passou a ser uma campanha, um

statement

do cliente”, disse.

“A força da comunicação impressa nos pontos de venda” foi o painel apresentado por Eliana Cassandre, gerente de propaganda do Grupo Petrópolis, detentor das marcas de cerveja Itaipava, Crystal e Lokal, do energético TNT e do refrigerante IT!. Ela destacou que o mercado de cerveja é dependente da comunicação impressa. “A maior parte do investimento de retorno no curto prazo está nos impressos, apesar da força que tem o meio TV para o segmento.” O grupo imprime anualmente sete milhões de bolachas de chopp; 800 milhões de rótulos de cerveja; quatro milhões de cartazetes de PDV; adesiva 30 mil veículos de frota; 3,5 bilhões de selos de proteção, além de copos, banners, faixas, materiais pesados (geladeiras, caixas térmicas e outros), mesas e cadeiras plásticas e brindes.

Para responder a pergunta “Por que grandes marcas continuam a investir na mídia impressa?”, o 2º Summit de Comunicação convidou a especialista de Marketing, Inteligência e Pesquisa de Mercado, Andrea Costa. Em sua segunda participação no evento, Costa trouxe sua experiência na Editora Globo e defendeu o impresso como uma das mídias mais relevantes, ressaltando que é realmente importante ter um conteúdo de valor.