Escritores acreditam no crescimento das exportações de livros

Além da participação de 168 editoras, que dividiram o estande coletivo brasileiro, mais de 70 escritores estiveram na Feira de Frankfurt, há dois meses. Agora, dão o seu depoimento sobre o potencial de exportação de livros e a receptividade da produção editorial do País. Laurentino Gomes ficou bastante satisfeito com os resultados da participação no evento. "Além da oportunidade de debater sobre a polêmica das biografias não autorizadas no Brasil, mantive uma boa reunião de negócios com meu agente literário em Nova York, Jonah Strauss, responsável pelo lançamento da edição em inglês do livro 1808 nos Estados Unidos".

O escritor Affonso Romano de Sant’Anna, autor da emblemática obra Que país é este?, observou que, a partir da Feira, as chances de internacionalização do livro brasileiro ampliam-se. É que desde que o Brasil havia sido anunciado como o homenageado da Feira de Frankfurt 2013, mais de 200 títulos, dentre lançamentos e reimpressões, foram traduzidos na Alemanha.

Michel Laub, outro escritor presente em Frankfurt, disse que sua maior expectativa com a Feira é de que ela tenha ajudado a difundir a literatura brasileira. “Embora ainda seja cedo para dizer, sigo com essa expectativa positiva”. No próximo ano, o país homenageado da Feira do Livro de Frankfurt será a Finlândia. O Brasil realizou o ritual da "passagem de bastão" na solenidade de encerramento da feira, no último dia 13 de outubro.