Levi Ceregato comenta reunião do Copom

“Consumo e investimentos em bens de capital não prometem dar um salto... Com uma taxa básica de juros de 11%, o salto seria mortal!”, diz Levi Ceregato, presidente nacional da Associação Brasileira da Indústria Gráfica

A manutenção da Selic em 11% já era esperada e reforça esse movimento de acelerar e puxar o freio de mão ao mesmo tempo com que a economia tem se conduzido neste ano. Os juros na ponta – para o consumidor e para o tomador de crédito – estão altos e exercem um efeito perverso sobre a mercado, pois são diretamente repassados aos preços dos produtos, o que dificulta vendas e compromete as margens das empresas, muitas vezes já pressionadas pelos importados. Mesmo que a recente flexibilização do compulsório aumente a oferta de crédito, o consumo e os investimentos em bens de capital não vão dar um salto... Com juros assim, o salto seria mortal!

Notícias Semelhantes

Congresso Internacional de Celulose e Papel discutirá os novos caminhos da indústria