Selic exagerada retroalimente a crise

3 de junho -- Para o empresário Levi Ceregato, presidente nacional da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf), a opção de manter nas mãos do Brasil o indesejável recorde de juros mais altos do mundo, as autoridades monetárias reunidas hoje no Comitê de Política Monetária (Copom) demonstraram não acreditar na eficácia da política econômica e dos ajustes fiscais em curso. “A Selic exagerada retroalimenta a crise, e os últimos meses já mostraram que seu efeito na contenção da inflação tem sido nulo. Uma Selic menor sinalizaria confiança na capacidade de superação do País, criando um clima mais favorável ao ajuste fiscal em curso – o qual, aplicado corretamente, é a ferramenta certa para conter a inflação”, diz Ceregato.

Notícias Semelhantes

Congresso Internacional de Celulose e Papel discutirá os novos caminhos da indústria