01 de abril de 2015

ABIGRAF 50 anos

Em meio século de história, a ABIGRAF Nacional fincou raízes nos quatro cantos do País, garantindo para a indústria gráfica nacional espaço de representação e voz ativa perante a sociedade e o governo. A primeira dessas regionais foi a do Rio Grande do Sul, criada em 1967, logo seguida pela Regional de Santa Catarina. No ano seguinte, foi a vez da ABIGRAF-SP entrar em cena e, em 1969, pipocam regionais em Minas Gerais, Pernambuco e Paraná. Na década de chumbo do anos 1970, a expansão se refreou até que, em 1980, a indústria gráfica baiana fundou sua regional, renovando o fôlego associativista do setor.

Em 1983, os empresários gráficos do Mato Grosso do Sul criaram a ABIGRAF-MS, seguidos por Rio de Janeiro, em 1984, e Espírito Santo e Piauí, em 1986. Finalmente, em 1994, surgiu a regional do Distrito Federal e, em 2005, a ABIGRAF-SP começou a inovar sua estrutura, fundando as seccionais de Bauru e Ribeirão Preto. Hoje, já são 22 regionais, que reúnem mais de 19 mil empresas e ajudam a fortalecer a presença da ABIGRAF em todo o território nacional.

Noticias Relacionadas

27 de outubro de 2022

“O livro que nos une” – o encontro reúne editores, livreiros, distribuidores e gráficos conta com apoio do Sindigraf-sp e Abigraf-SP

O encontro realizado pela Câmara Brasileira do Livro (CBL),  começou ontem (26), e reúne os mais importantes editores, livreiros, distribuidores e gráficos do país. A Abigraf-SP e o Sindigraf-SP são patrocinadores do evento.

Leia mais
27 de outubro de 2022

Analista do mercado reduzem estimativa de inflação em 2022

Os economistas do mercado financeiro reduziram de 5,71% para 5,62% a estimativa de inflação para este ano. Esta foi a 16ª queda seguida da estimativa para a inflação de 2022.

Leia mais
27 de outubro de 2022

Simples Nacional notifica empresas

Desde o dia 13 de setembro, o Comitê-Gestor do Simples Nacional encaminhou para as microempresas e empresas de pequeno porte notificações com relatório de pendências dos contribuintes junto à Receita Federal e à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (débitos inscritos em dívida ativa) e com o Termo de Exclusão do Simples Nacional em caso de não regularização.

Leia mais