23 de setembro de 2021

Bastidores da Indústria Gráfica

É sobre a importância de manter viva a memória e a história da indústria Gráfica, que esta coluna, aqui no nosso Boletim, se propõe, a partir de agora. Como tudo começou: da Mesopotâmia a civilização Babilônica. Como eram os processos gráficos antes do avanço da tecnologia? Como foi a evolução da impressão? Quais eram as etapas da produção? Os impactos do surgimento da Imprensa no mundo, Litográfica e Offset, …a lista vai longe, mas esse é só um aquecimento! Então prepare-se, afinal, quem da indústria gráfica não tem uma história para contar, não é mesmo? Queremos inclusive aquele seu “causo” engraçado, interessante, cheio de muita “prosa”, e que nossos leitores podem ficar encantados. Então seja bem-vindo a este projeto e participe com a gente. Na edição de estreia iremos contar sobre as linotipos com João Scortecci, presidente da ABIGRAF-SP.

Fique ligado. Mande para rcamilo@abigraf.org.br a sua vontade em participar dessa coluna, que já vamos deixar seu nome em nossa lista. Até breve!

AZEVEDO MARQUES, “CORREIO PAULISTANO” E OS “FUTURISTAS ENDIABRADOS” DE 22

Olá! Sejam bem-vindos ao túnel do tempo da indústria gráfica. Hoje quem conta a história é o João Scortecci, Presidente da ABIGRAF – SP. Boa leitura!

“Correio Paulistano” foi o primeiro jornal diário paulista e o terceiro do Brasil. Teve como fundador o proprietário da Typographia Imparcial (sucessora da Typographia Liberal, de 1854 até 1888), de Azevedo Marques (Joaquim Roberto de Azevedo Marques, 1824-1892), e, como primeiro redator, Pedro Taques de Almeida Alvim. O jornal nasceu liberal e teve posições avançadas, em sua época. Posteriormente, aderiu ao Partido Conservador e, após a criação do Partido Republicano Paulista (PRP), passou a ser seu órgão oficial, em junho de 1890. Durante o período imperial, foi um forte formador de opinião pública. Notabilizou-se pela defesa da abolição da escravatura e da causa republicana. Mais tarde, apesar de ser dirigido e sustentado por oligarcas tradicionalistas, foi o único, entre os grandes jornais de São Paulo, a apoiar a Semana de Arte Moderna de 1922, reconhecendo o vanguardismo do movimento modernista – enquanto os demais jornais da época se referiam aos modernistas como “subversores da arte”, “espíritos cretinos e débeis” ou “futuristas endiabrados”. Vale relembrar as primeiras palavras do jornal a respeito de seu objetivo: “… fundar uma tribuna livre, aberta a todas as aspirações e a todas as queixas, sem restrições na esfera do pensamento religioso ou partidário”. O jornal circulou de 1854 até 1963, encerrando suas atividades com 33.882 edições veiculadas na cidade. O prédio do “Correio Paulistano”, editorial e gráfico, ficava na esquina da Rua Líbero Badaró com o Largo de São Bento, no centro histórico da capital paulista. Além do pioneirismo liberal e de posições avançadas para a época de sua fundação, foi: o primeiro jornal a ser impresso em máquinas de aço, abandonando a mão de obra escrava; o primeiro com oficinas a vapor; o primeiro publicado às segundas-feiras; o primeiro a ser impresso em uma máquina rotativa; o primeiro no formato Standard, 600 x 750 mm; e o primeiro a contratar fotógrafos profissionais para ilustrar suas matérias.

Noticias Relacionadas

28 de setembro de 2022

Começa na próxima semana: Curso Gestão Positiva de Pessoas Gerando Resultado

Anote em sua agenda, na próxima semana tem novo curso da ABITEC, Gestão Positiva de Pessoas Gerando Resultado, com Cristina Simões.

Leia mais
26 de setembro de 2022

“O livro que nos une” – Encontro de Editores, Livreiros, Distribuidores e Gráficos

Nos dias 26, 27 e 28 de outubro acontecerá o evento “O livro que nos une", no Hotel Royal Palm, em Campinas.

Leia mais
26 de setembro de 2022

Live – Como reduzir encargos e custos trabalhistas?

Amanhã (27/9), às 10h30, o Sindigraf promove encontro com Vicente Sevilha Junior, para  debater as formas mais modernas e inteligentes de contratar.

Leia mais