16 de dezembro de 2020

Brasil, Portugal e Espanha: a terceira live internacional da Abigraf

Evento conjunto com a Apigraf, de Portugal e a Neobis, da Espanha, teve três dias de discussão sobre problemas, soluções, oportunidades e o futuro da indústria gráfica pós-pandemia.

“A indústria no pós-pandemia: o que mudou no mercado?” foi o tema do primeiro dia do encontro entre as associações gráficas do Brasil, Portugal e Espanha. Os presidentes das três entidades traçaram um panorama da realidade do mercado gráfico nos três países, que é muito parecida. Em Portugal, com a segunda onda da pandemia de COVID-19 causando o segundo lockdown no país, Lopes de Castro, presidente da Apigraf, afirmou que será fundamental a ajuda do governo. “Somos uma indústria responsável e ambientalmente sustentável. Será que vamos conseguir retomar os preços antigos?” Levi Ceregato, presidente da ABIGRAF, segue a mesma linha e lembra que o problema da precificação, no Brasil, não começou na crise da pandemia. “O barulho das máquinas não significa resultados. Temos que precificar, pois a margem de lucro é extremamente essencial para a manutenção e sobrevivência das empresas”. Na Espanha, segundo o presidente da NEOBIS, Alvaro Garcia Barbero, a grande preocupação agora é detectar o mais rápido possível como será a mudança da sociedade daqui para a frente. “Estamos diante de uma mudança que não é só empresarial ou cultural, é social. Estamos vendo uma tendência de colaboração entre empresas de diferentes segmentos em busca da sobrevivência”.

As empresas europeias em geral têm uma vantagem sobre as brasileiras. A estabilidade proporcionada pela zona do euro. Enquanto os executivos Paulino Ribeiro, da Finieco e Ignacio Manero, da Manero B2-Pack, relataram que o objetivo das empresas é se manter com endividamento zero, Fábio Gabriel, da Leograf, conta que a grande missão agora é manter o negócio viável. “Temos que renegociar com nossos clientes para manter margens de lucro adequadas”.

No segundo dia do evento, o tema foi o futuro imediato da indústria gráfica, “2021: o que esperar?”. Luís Miguel Ribeiro, Presidente da AEP (Portugal), Jesús Alarcón, secretário-geral da NEOBIS, Wagner Silva, Gerente-geral da ABIGRAF e Alexandre Keese – Diretor da Fespa Brasil falaram dos desafios em seus países, como a criação de empregos, aumento da produtividade e geração de riqueza, além da adaptação à tendência irreversível do uso da inteligência artificial e da substituição da produção em massa pela customização de produtos gráficos para os mais diferentes segmentos.

No encerramento do evento a tecnologia do futuro foi o tema dos debates do painel “Inovações em tecnologia, produção e produtos: o que vem por aí”. Francisco Cachinero, da Canon España e Roland Krapp, da Heidelberg, falaram sobre os negócios das duas empresas, que investem em pesado na produção digital e na automação. No encerramento do evento, a apresentação foi do consultor brasileiro Andy Lima, radicado na Europa há 10 anos, líder e estrategista da World Wide Generation. Andy falou sobre como a preocupação com o bem estar das pessoas dentro das corporações é o primeiro passo para uma mudança de comportamento que vai se refletir em relações mais sólidas e humanas entre as empresas e seus clientes.

O evento teve patrocínio da Canon, Heidelberg e AFEIGRAF/EXPOPRINT.

Noticias Relacionadas

28 de setembro de 2022

Começa na próxima semana: Curso Gestão Positiva de Pessoas Gerando Resultado

Anote em sua agenda, na próxima semana tem novo curso da ABITEC, Gestão Positiva de Pessoas Gerando Resultado, com Cristina Simões.

Leia mais
26 de setembro de 2022

“O livro que nos une” – Encontro de Editores, Livreiros, Distribuidores e Gráficos

Nos dias 26, 27 e 28 de outubro acontecerá o evento “O livro que nos une", no Hotel Royal Palm, em Campinas.

Leia mais
26 de setembro de 2022

Live – Como reduzir encargos e custos trabalhistas?

Amanhã (27/9), às 10h30, o Sindigraf promove encontro com Vicente Sevilha Junior, para  debater as formas mais modernas e inteligentes de contratar.

Leia mais