20 de outubro de 2016

Consistente análise sobre a economia do país

Zeina Latif, doutora em economia pela Universidade de São Paulo, economista-chefe da XP Investimentos e consultora da TV Globo e da ABIGRAF, apresentou consistente análise sobre a conjuntura nacional. Demonstrou que, no cenário do novo governo e da sinalização de esforços voltados à solução da crise fiscal do Estado, já se nota uma melhoria do ambiente de negócios e no grau de confiança do empresariado, inclusive do setor gráfico.

No entanto, “ainda estamos na UTI”, frisou a economista, acentuando não haver outra alternativa para o País senão a aprovação da PEC do Teto de Gastos (nº 241) e da reforma da previdência. “O equilíbrio fiscal é decisivo para a redução dos juros. Porém, a sociedade não aceita mais que isso seja feito com aumento de impostos ou com a geração de inflação. Assim, é premente a redução das despesas do governo”.

Zeina Latif explicou que o Governo Temer está buscando colocar a casa em ordem e efetivar já algumas medidas para reduzir gastos, dentre elas a PEC 241 e a reforma da previdência, pois não é possível esperar 2018, quando haverão eleições presidenciais, para a adoção de medidas. “Se isso não for feito com agilidade, o Brasil entrará em colapso”, acentuou, reforçando que o equilíbrio fiscal é prioridade absoluta.

Noticias Relacionadas

16 de janeiro de 2023

Posse da nova diretoria Abigraf-SP

A Abigraf-SP realizou em 8 de dezembro de 2022 a cerimônia de posse das Diretorias Executiva e Seccionais e do Conselho Fiscal, eleitas para o triênio 2022-2025.

Leia mais
16 de janeiro de 2023

Reunião de encerramento do COPAGREM

A Abigraf Nacional, Abigraf-SP e o Sindigraf-SP estiveram presentes na última Reunião Plenária do COPAGREM de 2022, presidida pelo Dr. Levi Ceregato, a reunião aconteceu, no dia 8 de dezembro, na sede da FIESP.

Leia mais
16 de janeiro de 2023

Jornada de Transformação Digital

A Jornada de Transformação Digital é um programa criado pela FIESP, pelo CIESP, SENAI-SP e Sebrae-SP com capacidade para contemplar 40 mil micro, pequenas e médias indústrias.

Leia mais