01 de abril de 2020

Grupo de impressos de segurança fará cartilha de negociação para o mercado

Em reunião virtual na manhã desta terça-feira, 31/03, o grupo empresarial de Impressos de Segurança chegou ao consenso de que é preciso agir de forma institucional para garantir a livre concorrência, porém com regras de mercado que não obriguem as empresas gráficas a trabalharem, em muitos casos, no vermelho. Na maior parte dos países, as gráficas vendem cartões (de crédito, débito e private label) indexados ao dólar, no Brasil não. Além do aumento da taxa de câmbio, que está estrangulando o setor, os contratos firmados com os clientes penalizam as gráficas, pois a maioria das empresas precisam produzir grandes quantidades de material e estocar, sem comprometimento de consumo, liberando e faturando os lotes de acordo com pedidos posteriores.

Segundo o coordenador do grupo, André Machado, a cartilha vai ser uma ferramenta para que o mercado seja mais justo. “Já estamos elaborando um questionário para que as empresas indiquem quais os problemas contratuais que as impedem de ter lucro. A partir daí, vamos sugerir normas de mercado com o embasamento do departamento jurídico da entidade e agir em duas frentes: de maneira institucional, junto às entidades que representam nossos clientes e junto ao governo, para que a legislação seja alterada, principalmente em relação ao câmbio”. A previsão é de que o lançamento da cartilha aconteça até o final de abril.

Noticias Relacionadas

27 de maio de 2022

Saiba mais sobre o Flexo & Labels no podcast Ondas Impressas

Em mais um episódio da Série Parcerias, no sétimo programa da terceira temporada do podcast Ondas Impressas, a jornalista Tânia Galluzzi e o consultor Hamilton Costa discutem as demandas do segmento de rótulos e etiquetas à luz da Flexo & Labels 2022, feira totalmente focada nesse setor.

Leia mais
27 de maio de 2022

Suspensão da liminar sobre IPI na Zona Franca de Manaus

Por ocasião do julgamento da Medida Cautelar na Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 7.153 (ADI-MC nº 7.153)  o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes concedeu medida cautelar (clique aqui) que suspende os efeitos dos Decretos que reduziam as alíquotas de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados).

Leia mais
27 de maio de 2022

Redução de 10% das alíquotas do imposto de importação

Foi publicada a Resolução GECEX nº 353 / 2022, que em seu anexo único altera a Resolução GECEX nº 272 / 2021, concedendo a redução temporária das alíquotas do Imposto de Importação até 31/12/2023.  O governo federal decidiu reduzir em mais 10% as alíquotas do Imposto de Importação sobre 6.195 códigos tarifários da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM).

Leia mais