27 de maio de 2021

“Livro não é coisa de rico”, artigo publicado no jornal “A Tribuna”, do Espírito Santo

(Por Lorena Depizzol)

Em mais um recente debate sobre a Reforma Tributária, a receita federal atualizou o documento “perguntas e respostas” da Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) no último dia 06 (de abril). Nele, além de reforçar sua posição a favor da taxação do livro no Brasil, expõe o motivo: “só são consumidos pelos ricos” com renda superior a 10 salários mínimos.

Alguns meses antes, no segundo semestre de 2020, a quinta pesquisa Retratos da Leitura no Brasil anunciava que o país perdeu 4,6 milhões de leitores nos últimos 4 anos. A maioria nas classes A, com redução de 76% em 2015 para 67% em 2019, e com ensino superior, de 82% em 2015 para 68% em 2019.

Ainda de acordo com a pesquisa realizada pelo Instituto Pró-livro em parceria com o Itaú Cultural, as pessoas estão utilizando seu tempo livre nas redes sociais. A análise mostra um problema estrutural antigo: o analfabetismo funcional – indivíduos que, embora saibam reconhecer letras e números, são incapazes de compreender textos simples, bem como realizar operações matemáticas mais elaboradas. Conforme a mesma pesquisa, 45% dos entrevistados declararam não ler livros por não saber ler, ler muito devagar, não ter concentração ou não compreender o texto, embora sejam tecnicamente alfabetizados.

A posição do governo só afunda ainda mais este problema. Enquanto mencionam que o livro é um produto elitista, bibliotecas estão sucateadas por falta de políticas públicas. O país ficou de 2015 até 2019 para reformular o antigo Programa Nacional de Biblioteca na Escola (PNBE) agora Programa Nacional do Livro e Material Didático (PNLD), ou seja, sem atualização de acervo das bibliotecas públicas. Na mesma pesquisa, 26% das pessoas entrevistadas em 2019 frequentariam mais a biblioteca se tivessem mais livros ou títulos novos.

Dizer que as classes mais baixas não consomem livros é preconceituoso e reforça a intenção do não apoio à leitura. O gosto de ler é incentivado em casa, na família, na escola e culturalmente na sociedade. Sem o incentivo do governo e sem livros com valores acessíveis à população – a reforma proposta deseja aumentar a carga tributária do livro em 12% – o quadro brasileiro da formação de mão de obra tende a piorar alarmantemente.

O Brasil lê muito pouco, em média 5 livros ao ano, destes apenas 2,5 em sua totalidade. Em uma sociedade onde vemos postos de trabalhos sumirem, como cobradores de ônibus, e novas vagas não serem preenchidas, como programadores e profissionais de T.I., dificultar o acesso à leitura é irresponsável e criminoso.

Estamos presenciando a destruição das indústrias por altas cargas tributárias, o empobrecimento da população devido à pandemia e agora o emburrecimento da sociedade na tentativa errônea de sanar as finanças brasileiras. Mais que cofres cheios, precisamos de uma sociedade cheia de ideias e ideais para avançar nos desafios que ainda estão por vir.

Lorena Depizzol é vice-presidente do Sindicato das Indústrias Gráficas do Espírito Santo (SIGES) e diretora comercial da Gráfica Ingral.

Noticias Relacionadas

28 de setembro de 2022

Começa na próxima semana: Curso Gestão Positiva de Pessoas Gerando Resultado

Anote em sua agenda, na próxima semana tem novo curso da ABITEC, Gestão Positiva de Pessoas Gerando Resultado, com Cristina Simões.

Leia mais
26 de setembro de 2022

“O livro que nos une” – Encontro de Editores, Livreiros, Distribuidores e Gráficos

Nos dias 26, 27 e 28 de outubro acontecerá o evento “O livro que nos une", no Hotel Royal Palm, em Campinas.

Leia mais
26 de setembro de 2022

Live – Como reduzir encargos e custos trabalhistas?

Amanhã (27/9), às 10h30, o Sindigraf promove encontro com Vicente Sevilha Junior, para  debater as formas mais modernas e inteligentes de contratar.

Leia mais